Travessia da Ponta da Joatinga

1. A Ponta da Joatinga  06, 07 e 08 de dezembro de 2014
Localizada no município de Paraty, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes de índios Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina. Tamanha beleza ainda preservada dá-se sobretudo pelas dificuldades de acesso. Não há estradas pela península e o principal meio de locomoção de moradores e visitantes é através de pequenas embarcações. Luz elétrica e telefone encontram-se somente em algumas vilas de pescadores mais povoadas.

É nesta região única que se desenvolve um dos trekking mais charmosos e belos do Brasil: a Travessia da Ponta da Joatinga. Embora existam opções variadas para se percorrer toda a península, inclusive contornando-a e passando pelo Saco do Mamanguá, que é o único fiorde brasileiro, a Tradicional Travessia da Ponta da Joatinga tem início na Praia do Pouso da Cajaíba e término na Vila de Oratório (ou Laranjeiras). Totaliza aproximadamente 25 km de trilhas, percorrendo aclives, declives e variadas praias, tudo sob o olhar da mata atlântica. Três dias são o tempo ideal para percorrê-la, possibilitando também o contato com nativos caiçaras; os verdadeiros e legítimos proprietários do lugar.

O acesso até a praia do Pouso da Cajaíba, o ponto inicial da Travessia, faz-se através de barco oriundo ou de Paraty ou de Paraty Mirim (Distrito de Paraty). Neste primeiro dia, iniciando a caminhada no Pouso da Cajaíba, após uma subida e descida medianas chega-se à Praia de Martin de Sá, local do primeiro pernoite. A praia de Martin de Sá é deserta e uma das mais belas de toda a Joatinga. No segundo dia, através de trilhas desloca-se da praia de Martin de Sá até a Praia de Ponta Negra, passando pela praia do Cairuçu e pelo ponto mais elevado de toda a Travessia, a Toca da Onça. É o trecho mais longo e pesado da Travessia, marcado por uma subida e descida consideráveis. Ponta Negra é uma vila com aproximadamente 40 famílias e alguma infraestrutura ao visitante. Já o terceiro e último dia da Travessia desloca-se da Praia da Ponta Negra até a Vila do Oratório, percorrendo trilhas que unem as praias de Galhetas, Antiguinhos, Antigos, que são desertas; e do Sono, que possui boa infraestrutura ao visitante. Um dos destaques do último dia de trekking é o visual da Praia do Sono visto desde o morrote após a praia de Antigos.   
De rara beleza, a Travessia da Ponta da Joatinga é ideal para aventureiros que curtem caminhadas de média distância, tendo como bônus algum atrativo especial, que no caso desta Travessia são as belas praias. Isto faz da Joatinga um trekking especial, diferente da maioria dos roteiros praticados Brasil afora, valendo o esforço em realizá-la!

TREKKING NÍVEL MODERADO

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!